Postado em 17 outubro 2021

Publicidade não é brinquedo!

As propagandas focadas no público infantil precisam respeitar regulamentações e leis desde 2014. Campanhas que marcaram a infância de muita gente vão ficar apenas na memória.

A publicidade precisa usar a linguagem de seu público-alvo para atingir seu objetivo de venda. Campanhas direcionadas ao público infantil precisam seguir regras regulamentadas por leis e órgãos fiscalizadores.

Especialistas viram a necessidade de regularizar essas campanhas, que antes eram voltadas diretamente a esse consumidor, um público vulnerável e suscetível ao consumo.

Quem era criança nos anos 80, 90 e começo dos anos 2000, com certeza tem fortes lembranças de brinquedos e produtos infantis, com o desejo despertado pelas propagandas que apareciam na TV.

A partir de 2014 o Conanda (Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente) publicou a Resolução 163, que regulamenta a publicidade infantil.

 A partir daí as empresas precisaram criar publicidades menos duvidosas e mais educativas.

A campanha se torna abusiva quando o marketing e a divulgação são feitos para convencer a criança e ignoram a autoridade dos pais.

Uma outra abordagem abusiva é através de coação. A campanha coage a criança a comprar algum produto para não se sentir excluída ou inferior.

Propagandas antigas que hoje não dariam certo

Hipnose de chocolate

A propaganda do chocolate Batom é um exemplo de campanha que tenta convencer a criança de que ela precisa de determinado produto e a transforma no propagador dele.

A tesoura da discórdia

“Eu tenho, você não tem! Eu tenho você não tem!”, frase conhecida das crianças dos anos 90, sonhando com a tesoura do Mickey Mouse.

Regras a seguir

Para se adequar à Legislação as campanhas devem seguir normas estabelecidas pela Constituição Federal, o Estatuto da Criança e do Adolescente, o Código de Defesa do Consumidor, o Código Brasileiro de Autorregulamentação Publicitária, além da Resolução 163 do Conanda.

As propagandas não são mais exibidas na TV desde 2014 e personagens animados que remetem ao universo infantil também são proibidos.

Para a felicidade dos mais nostálgicos, muitas das campanhas que marcaram a infância podem ser encontradas no Youtube.

Continue lendo

Se chegou até você, é porque viralizou. Qual história por detrás do meme?

Nem só de Geração Z e Millennials a sociedade está dividida, sabia?

A experiência do cliente e o impacto na sua marca

Receba conteúdos exclusivos sobre marketing direto por email.

  • Fale um pouco do seu projeto